Por que as equipes se tornaram populares

Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos
Módulo II
Autores
Adriana Lima
Albertina Reis
Eliana Marinho
Mariele Juliane
Renata Santos
Ricardo Santos
Sueli Sousa
Salvador
Outubro2009
POR QUE AS EQUIPES SE TORNARAM TÃO POPULARES?
ESTE TRABALHO TEM POR FINALIDADE APLICAR OS CONCEITOS DISCUTIDOS EM AULA, NA REALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES PERMITINDO DESENVOLVER HABILIDADE PARA SE COMPOR UMA EQUIPE E COMO TRABALHAR EM EQUIPE, E COMO OBTER O SUCESSO ESPERADO. ESTA OBRA NOS POSSIBILITOU APLICAR NOSSO CONHECIMENTO DO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL, PARA AVALIAR AS HABILIDADES NECESSARIAS PARA SE MONTAR UMA EQUIPE DE SUCESSO.
Trabalho apresentado para a avaliação da disciplina comportamento organizacional – do 2° modulo do curso de Gestão em RH. Professora Orientadora: Tereza Cristina Carneiro
SALVADOR
Outubro/2009
Conteúdo
1. Introdução.................................................................. Erro! Indicador não definido.
2. Por que as equipes se tornaram tão populares ........... Erro! Indicador não definido.
3. Diferenças entre grupos e equipes ............................. Erro! Indicador não definido.
4. Tipos de Equipes ....................................................... Erro! Indicador não definido.
5. Equipes Eficazes ....................................................... Erro! Indicador não definido.
6. Vantagens .................................................................. Erro! Indicador não definido.
7. Desvantagens ............................................................. Erro! Indicador não definido.
8. Modelo de Eficiência da Equipe ............................... Erro! Indicador não definido.
1. Introdução
Este trabalho foi desenvolvido com base no conhecimento adquirido em sala de aula através da disciplina: Comportamento Organizacional, tendo também como base vários autores sendo os principais: Stephen P. Robbins e Eduardo Soto, e como autores de apoio secundário: Fela Moscovici, Debra J. Housel, Sylvia Constant Vergara e Maria Tereza Leme Fleury
Nesse trabalho será utilizado todo conhecimento adquirido a parte das obras dos autores citados anteriormente e suas experiências, tendo como embasamento principal as obras dos autores Robbins e Soto.
As equipes se tornaram tão popular aparte do momento em que as grandes organizações perceberam que para enfrentar a grande concorrência do mundo globalizado com eficiência e eficácia, deveriam apostar em sua estratégia o trabalho em equipe ao invés de seus tradicionais departamentos tão utilizados. Ficou comprovado através de estudos, que o trabalho em equipe melhora o desempenho dos indivíduos quando a tarefa requer múltiplas habilidades, técnica, julgamento e experiências de cada um. Respeitando sempre suas diferenças, valorizando e desenvolvendo os indivíduos das mais diversas formas possíveis buscando sempre o espírito de equipe. Conseqüentemente tornando as organizações mais eficientes e eficazes, sejam, equipes de soluções de problemas, autogerenciada, virtuais ou multifuncionais.
A organização precisa de uma equipe para conseguir instigar mudanças. Uma pessoa, mesmo um líder incrivelmente carismático, jamais será forte o suficiente para produzir grandes mudanças em uma organização.
As vantagens de se trabalhar com equipes são: Capacidade se estrutura e iniciar seu trabalho; Capacidade de redefinir foco e se desenvolver rapidamente; Promover o desempenho dos indivíduos através das suas habilidades múltiplas.
Não se deve esquecer que as equipes também precisam de estímulos motivacionais para que alcance os objetivos desejados, como por exemplo, os programas de envolvimento e os de reconhecimento dos funcionários.
2. Por que as equipes se tornaram tão populares
Segundo Robbins, isso ocorreu porque as organizações descobriram que as equipes são mais flexíveis e reage melhor ás mudanças do que os departamentos tradicionais ou outra forma de agrupamento permanente. As equipes são capazes de se estruturar, iniciar seu trabalho, redefinir seu foco e se dissolver rapidamente. Elas também são capazes de melhor o desempenho dos indivíduos quando a tarefa requer múltiplas habilidades, julgamentos e experiências. Isso se deu quando as organizações se reestruturaram para competir de modo mais eficiente e eficaz, e optaram pelas equipes como forma de utilizar melhor os talentos de seus funcionários.
Não devemos subestimar as propriedades motivacionais das equipes,as equipes facilitam a participação dos trabalhadores nas decisões operacionais.Podemos citar um exemplo,de alguns operários da linha de montagem de uma fábrica de tratores e máquinas agrícolas, ,eles fazem parte das equipes de vendas que visitam os clientes da empresa, eles fazem parte das equipes de vendas que visitam os clientes da empresa.
Esses funcionários conhecem os produtos melhor do que qualquer vendedor.Ao viajar e conservar com os fazendeiros,desenvolvem novas habilidades e se envolvem mais em seu trabalho.
De acordo com Soto, as equipes de alto desempenho passam por um processo por um processo grupal de qualidade que produz resultados desejáveis. Nessas equipes encontram-se características comuns a seus membros, tendem a ser pequenas. Contem pessoas com três tipos diferentes de habilidades: técnica, de solução de problemas e tomada de decisão e interpessoais. Ajustam adequadamente as pessoas com vários papeis. Essas equipes têm o compromisso de um objetivo comum, de estabelecer metas especificas e de ter liderança e estrutura para proporcionar um objetivo e uma direção.
Os próprios membros sentem-se responsáveis tanto no âmbito individual quanto no de equipe, mediante a instauração de avaliações e sistemas de recompensas bem desenhados. Finalmente, as equipes de alto desempenho caracterizam-se por sua grande confiança mutua entre seus membros.
Já Housel, diz que ao longo das ultimas duas décadas, as indústrias descobriram a verdade por trás do ditado ”Duas cabeças pensam melhor do que uma”. As pessoas têm talentos, forças, experiências e capacidades que lhes são próprios. Cada individuo tem
opiniões, preocupações e instintos próprios. Quando formam equipes os indivíduos compartilham tudo isso, desenvolvem seus conhecimentos por estarem aprendendo uns com os outros. Em um grupo, ninguém esconde informações ou idéias essências para tentar obter vantagens sobre os seus colegas de trabalho. Ao contrario, as melhores idéias e as melhores experiências são apresentadas ao grupo todo. Alem disso, as capacidades intelectuais combinadas dos membros de uma equipe, mesmo que pequena, excedem a de qualquer individuo.
Para Fela, diz que o sucesso das equipes nas organizações se da pela capacidade que seus integrantes têm de compreender seus objetivos e estarem engajados em alcançá-los. A comunicação entre os membros é verdadeira, opiniões divergentes são estimuladas. A confiança é grande, assumem-se riscos. As habilidades complementares dos membros possibilitam alcanças resultados, os objetivos compartilhados determinam seu propósito e direção. Respeito, mente aberta e cooperação são elevadas. O grupo investe constantemente em seu próprio crescimento.
Sylvia Vergara uma equipe não apenas um conjunto de pessoas, é preciso que haja um elemento de identidade, elemento de natureza simbólica, que uma as pessoas, estando elas fisicamente próxima ou não.
Enfim se pode afirma que as equipes se tornaram tão populares, porque as organizações perceberam que a melhor maneira de competirem de forma eficiente e eficaz, no atual mundo globalizado foi o ter seus funcionários trabalhando em equipe, utilizando-se assim dos múltiplos talentos e habilidades física e intelectual de cada individuo. De forma sadia e madura porque afinal de contas uma equipe é forma das pessoas com cultura, costumes, crenças e valores diferentes os quais precisam ser respeitados, para que a união possa dar certo. Não devemos esquecer também dos fatores motivacionais necessários para motiva a equipe.
3. Diferenças entre grupos e equipes
Grupos e equipes não são a mesma coisa. Pois há diferenças entre um grupo de trabalho e uma equipe de trabalho.
Grupo é composto por dois ou mais indivíduos, em interação e interdependência, que se juntam para atingir um objetivo, ou seja, é um conjunto de pessoas que compartilham valores, crenças, visões semelhantes de mundo, possuem uma identidade e podem ser consideradas um todo. A visão de grupo é de natureza essencialmente relacional, de interação e alianças afetivas, que dão unidade e identidade ao conjunto de pessoas.
Um grupo de trabalho é aquele que interage basicamente para compartilhar informações e tomar decisões para ajudar cada membro em seu desempenho na sua área de responsabilidade.
Os grupos de trabalho não têm necessidade nem oportunidade de se engajar em um trabalho coletivo que requeira esforço conjunto. Assim seu desempenho é apenas a somatória das contribuições individuais de seus membros. Não existe uma sinergia positiva que possa criar um nível geral de desempenho maior do que a soma das contribuições individuais.
Equipe é um conjunto de pessoas que buscam um objetivo comum, clara e explicitamente formulado. Cada um usa a suas habilidades e se esforça no cumprimento de sua tarefa de com o objetivo maior. Os componentes de uma equipe têm grande clareza da divisão de responsabilidade e das fronteiras de suas ações, bem como de suas atribuições.
Uma equipe de trabalho gera uma sinergia positiva por meio do esforço coordenado. Os esforços individuais resultam em um nível de desempenho do que a soma daquelas contribuições individuais.
Os dois conceitos apresentam nítidas diferenças entre si: enfoca prioritariamente as ligações afetivas entre os componentes, enquanto que a equipe volta-se principalmente para o resultado.O uso extensivo das equipes, gera o potencial para uma organização aumentar seus resultados sem necessidade de aumentar os investimentos. Sendo assim, pode-se considerar equipe um grupo que compreende seus objetivos e está engajado em alcançá-los, de forma compartilhada. Necessariamente incorpora à sua dinâmica as habilidades de diagnose e de resolução de problemas.
4. Tipos de Equipes
As equipes podem realizar uma grande variedade de coisas. Podem fazer produtos, prestar serviços, negociar acordos, coordenar projetos, oferecer aconselhamento ou tomar decisões. As quatro formas mais comuns de equipes que encontramos em uma organização: equipes de solução de problemas, equipes autogerenciadas, equipes multifuncionais e equipes virtuais.
Equipes de solução de problemas – são quase sempre compostas por de 5 a 12 funcionários horistas, todos do mesmo departamento que se reuniam durante algumas horas por semana para discutir formas de melhorar a qualidade, a eficiência e o ambiente de trabalho. Essas são chamadas de equipes de solução de problemas.
Neste tipo de equipe, os participantes trocam idéias ou oferecem sugestões sobre processos e métodos de trabalho que podem ser melhorados. Estas equipes, raramente tem autoridade para implementar unilateralmente suas sugestões.
Equipes de trabalho autogerenciadas – podem não apenas solucionar os problemas, mas também implementar as soluções e assumir total responsabilidade pelos resultados, são grupos de funcionários, geralmente entre 10 e 15 pessoas que realizam trabalhos muito relacionados ou interdependentes e assumem muitas das responsabilidades que antes eram de seus antigos supervisores. Isso inclui o planejamento e o cronograma de trabalho, a delegação de tarefas aos membros, o controle coletivo sobre o ritmo do trabalho, a tomada de decisões operacionais e a implementações de ações para solucionar os problemas. A s equipes de trabalho totalmente autogerenciadas até escolhem seus membros e avaliam o desempenho uns dos outros. Conseqüentemente, as posições de supervisão perdem a sua importância e até podem ser eliminadas.
Equipes multifuncionais – são equipes formadas por funcionários do mesmo nível hierárquico, mas de diferentes setores da empresa, que se juntam para cumprir uma tarefa. AS equipes multifuncionais representam uma forma eficaz de permitir que pessoas de diferentes áreas de uma empresa possam trocar informações.
Procurando sempre, desenvolver novas idéias e solucionar problemas, bem como coordenar projetos complexos. Evidentemente,não é fácil administrar essas equipes primeiros estágios de desenvolvimento,enquanto as pessoas aprendem a lidar com a
diversidade e a complexidade,costumam ser muito trabalhosos e demorado. Demora algum tempo até que se desenvolva a confiança e o espírito de equipe,especialmente entre pessoas com diferentes históricos,experiências e perspectivas.
Equipes virtuais – usam a tecnologia da informática para reunir seus membros, fisicamente dispersos, e permitir que eles atinjam um objeto comum. Elas permitem que a pessoas colaborem on-line utilizando meios de comunicação como redes internas e externas, videoconferência ou correio eletrônico, quando estão separadas apenas por uma parede ou em outro continente.
5. Equipes Eficazes
Equipes eficazes têm integrantes que compartilham objetivos e liderança comuns, comunicam-se bem, trabalham colaborativamente, têm uma atitude inclusiva, confiam uns nos outros e aceitam conflitos internos como naturais e necessários.
Evita à conformidade porque ela torna a equipe ineficiente, isso acontece quando os integrantes se esforçam tanto para evitar conflitos que jamais discordam por isso os grupos evitam essa mentalidade.
Equipes de alto desempenho aproveitam o mútuo beneficio na resolução de conflitos ao solucionar desacordos. Eles aceitam que ambos os lados devem vencer e, conseqüentemente, negociam um termo comum.
Na resolução de conflitos com benefícios mútuos, as partes envolvidas fazem um acordo depois de se reunir particularmente para discutir as causa subjacentes do conflito e as possíveis soluções. A fim de evitar que os problemas reapareçam, uma conversa de acompanhamento é marcada para assegurar que o plano funciona.
Equipes eficazes medem o progresso e o desempenho de acordo com seus objetivos, aproximadamente e cada seis semanas. Elas usam os resultados de sua avaliação para capitalizar os pontos fortes e melhorar os pontos fracos.
6. Vantagens
Pesquisas têm mostrado quatro vantagens principais que o conceito de equipe traz a qualquer organização:
- Método de trabalho com custos mais eficazes;
- Aumento do moral dos funcionários;
- Melhor aproveitamento do tempo e dos talentos dos empregados;
- Melhoria na tomada de decisões;
- Agilidade na captação e no uso das informações;
- Possibilidade de comunicação cautelosa;
- Riqueza de idéias;
- Assunção de riscos;
- Conhecimento a respeito do que faz;
- Tenacidade, não desiste, persiste;
- Sabe escolher as alternativas para solução de problemas;
- Comprometimento;
- Utiliza-se de imaginação, criatividade, conhecimento e experiência para conquistar objetivos.
Como conseqüência dessas vantagens, mais de dois terços das 500 empresas listadas na revista Fortune utilizam equipes. Elas verificaram que, ao organizarem as pessoas em equipes, os gestores conseguem facilmente identificar e utilizar as energias de cada integrante do grupo e obter melhores benefícios. Isto resulta numa capacidade maior de trabalho, pois os membros da equipe utilizam seu potencial Maximo de eficiência, fazendo aquilo que realmente sabem fazer.
7. Nem sempre as equipes são a solução
O que pode ser visto como desvantagem, porque o trabalho em equipe costuma tomar mais tempo e consumir mais recursos do que o trabalho individual. As equipes têm, por exemplo, maiores demandas de comunicação, mais conflitos para serem administrados e mais união para serem conduzidas. Assim, os benefícios da utilização de equipes precisam superar seus custos. Que nem sempre é o caso. Portanto, antes de implementar o trabalho em equipe, é preciso avaliar cuidadosamente se o trabalho requer esforço coletivo ou se beneficia com ele.
A trajetória de uma equipe pode ser entendida como uma contínua sucessão de conflitos, pois nenhuma equipe está livre deles. Pois com as mudanças, crescimento e desenvolvimento resultam do modo como conflitos são enfrentados e resolvidos.
Os funcionários que não são bons participantes podem fazer ruir as chances de sucesso da equipe, destruindo-a completamente por seu comportamento negativo, e seus
companheiros sabem disso. Esse tipo de participante empenha-se em comportamentos não cooperativos ou para beneficio próprio, tais como: Trabalho em tarefas não prioritárias em vez de ajudar os colegas de equipe a completarem partes mais importantes de um projeto final próximo. Faz somente a tarefa que lhe foi atribuída especificamente. Ao enfrentar uma situação atípica, em vez de mostrar iniciativa e oferecer ajuda aos companheiros, esse tipo de pessoa sem espírito colaborativo diz: “Isso não esta incluído na descrição das minhas funções”. Faz comentários negativos a respeito de seus colegas (“Não seja idiota!”) ou ataca a qualidade das sugestões dos outros (“Que idéia ridícula”). Destrói a base de confiança ao fazer comentários maldosos a respeito dos integrantes da equipe para pessoas que não pertencem ao grupo.
Enfim, pessoas negativas, despreparadas e individualistas não adequadas para participar de trabalhos em equipe. Vale ressaltar, que nem tudo dentro de uma organização, pode ser resolvido por equipes, a tarefas que se faz necessário trabalho individual.
8. Modelo de Eficiência da Equipe
Contexto é composto por quatro fatores contextuais que são:
Recursos Adequados as equipes são parte de um sistema organizacional maior. Desta forma, todas as equipes de trabalho dependem de recursos externos para a sua sustentação, precisam receber o apoio necessário dos executivos e da organização como um todo para que possam atingir seus objetivos.
Liderança e Estrutura os membros da equipe precisam entrar em acordo quanto à divisão das tarefas e assegurar que todos contribuam igualmente nesse arranjo. A liderança, evidentemente, nem sempre é necessária. Por exemplo, as evidencias indicam que as equipes de trabalho autogerenciadas freqüentemente têm melhor desempenho do que aquelas que possuem lideres formalmente nomeados.
Clima de Confiança os membros confiam uns nos outros, e também demonstram confiança em seus lideres. A confiança interpessoal é o que facilita a cooperação, e reduz a necessidade de monitoramento dos comportamentos individuais.
Sistema de Avaliação de Desempenho e Recompensas alem da avaliação e das recompensas individuais pela contribuição de cada membro, deve-se considerar as
avaliações em grupo, a participação nos lucros e nos resultados para reforçar o empenho e o comprometimento das equipes.
Composição inclui as variáveis relacionadas a quem deve integrar as equipes. Focalizar as habilidades, capacidade individual dos membros, alocação de papeis e a diversidade, tamanho da equipe, flexibilidade dos membros e sua preferência pelo trabalho em equipe.
Capacidade, conhecimento e habilidades individuais dos membros, fazem parte do desempenho da equipe. Estas capacidades determinam parâmetros do que cada participante pode fazer e do quão eficiente serão dentro da equipe.
Para funcionar efizcamente, uma equipe necessita de três tipos diferentes de capacidades, conhecimento técnico, habilidades para solução de problemas e tomada de decisões, e habilidades interpessoais. Nenhuma equipe atinge seu potencial de desempenho sem desenvolver essas três habilidades. Elas devem existe na equipe na mesma proporção para que não ocorram resultados insatisfatórios.
Personalidade tem uma influencia significativa no comportamento da equipe. Algumas das dimensões identificadas no Modelo Big Five mostraram ser relevante para a eficácia da equipe, níveis médios elevados de extroversão, amabilidade, consciência e estabilidade emocional geralmente recebem avaliações mais altas pelo seu desempenho.
É importante observar que apesar das evidencias sugerir que uma variação nas características de personalidade pode ser mais importante que sua media. Assim, por exemplo, embora seja desejável um nível médio elevado de consciência, misturar pessoas altamente conscientes com outras não tão conscientes pode prejudicar o desempenho da equipe.
Alocação de Papeis as equipes tem necessidades diferentes, por isso as pessoas devem ser selecionadas para a equipe de modo assegurar que todos os papeis sejam preenchidos, de acordo com suas habilidades, preferências, conhecimento e experiência. Ao ajustar as preferências individuas com as demandas da equipe pelo papeis, os executivos aumentam a probabilidade de que os membros trabalhem bem juntos.
Podem-se identificar nove papeis potenciais na equipe que são:
- Elemento de ligação (coordena e integra a equipe);
- Criador (oferece idéias criativas);
- Promotor (defende as idéias depois de iniciadas);
- Assessor (oferece análises profundas das opções);
- Organizador (fornece a estrutura);
- Produtor (mostra a direção e o caminho para as ações);
- Controlador (examina os detalhes e mantém as regras);
- Mantenedor (luta em batalhas externas);
- Conselheiro (estimula a busca de informações adicionais).
Diversidade quando os membros são diferentes em termos de personalidade, sexo, idade, educação, especialização funcional e experiências, existe uma maior probabilidade de que a equipe possua as características necessárias para realizar suas tarefas de forma eficaz. Podem ter uma carga maior de conflitos e menos expediente quando se introduzem e se assimilam mais posições diversas, mas as evidencias confirmam, genericamente, que os grupos heterogêneos têm melhor desempenho que os homogêneos. Essencialmente, a diversidade promove o conflito, que estimula a criatividade e conduz à melhoria do processo de tomada de decisão.
Tamanho das Equipes os especialistas sugerem a utilização do menor numero possível de membros para a realização de uma tarefa, embora exista uma tendência entre os executivos de compor equipes numerosas, apesar de quatro ou cinco pessoas sejam suficientes para garantir a diversidade de habilidades e pontos de vistas. Alem disso, os executivos esquecem que o gerenciamento da equipe se complica quando existem excessos de componentes, dificultando o desenvolvimento da coesão, o comprometimento e a responsabilidade mútua com as pessoas fazendo cada vez menos.
Flexibilidade dos Membros esse é um diferencial obviamente positivo já que aumenta sua adaptabilidade e deixa a equipe menos dependente de um único membro.
Preferências dos Membros deve-se considerar as preferências individuais da mesma forma que as habilidades, personalidades e capacidades. As equipes com excelentes resultados geralmente são aquelas compostas por pessoas que gostam de trabalhar em equipe.
Projeto do Trabalho – Esta categoria inclui variáveis como liberdade e autonomia, oportunidade de atualização de diferentes habilidades e talentos (variedade de habilidades), capacidade de realização completa de uma tarefa ou produto identificável (identidade da tarefa) e a execução de uma tarefa ou projeto que tenha um impacto considerável sobre os outros (significado da tarefa). Uma equipe eficaz precisa trabalhar em conjunto e assumir responsabilidade coletiva pela realização de tarefas significantes.
Processo – A categoria final relacionada à eficácia das equipes refere-se às variáveis de processo, isto inclui o comprometimento dos membros com um propósito comum, o estabelecimento de metas especifica para a equipe, a eficácia da equipe, um nível controlado de conflitos e redução da folga social.
Efeitos dos processos de grupo (eficácia potencial do grupo + ganhos dos processos – perdas dos processos = eficácia real do grupo).
9. Como transformar indivíduos em membros de equipe
De maneira geral, as pessoas não se encaminham para um trabalho em equipe, elas são do tipo solitária ou que preferem ser reconhecidas por suas realizações individuais. Os funcionários não aprenderam a trabalhar em conjunto em direção a um objetivo comum. Antigamente, indivíduos obtinham sucesso nas suas carreiras ao criarem um clima
competitivo entre os colegas, onde penas os fortes sobrevivem – e não através da cooperação. Gerando assim, uma desconfiança entre os trabalhadores que rejeitam a idéia de ter de confiar em outro para que o trabalho seja feito. Isto acontece por que a maioria dos trabalhadores só sabe fazer a sua parte no trabalho e, talvez, nem compreenda como este se em caixa no produto final da organização.
Desafio Como já foram analisados os pontos serviram para demonstrar que uma barreira substancial para a utilização das equipes é a resistência das pessoas. O sucesso do funcionário não é mais definido em termos de seu desempenho individual. Para ter um bom desempenho como membro de uma equipe, a pessoa precisa ser capaz de se comunicar aberta e honestamente, confrontar diferenças e resolver conflitos, bem como sublimar suas metas pessoais para o bem do grupo.
Seleção Algumas pessoas já possuem habilidades interpessoais para ser membros eficazes de equipes. Quando se contratam membros de equipes, além de habilidades técnicas requeridas pelo trabalho, deve-se assegurar que eles tenham condições de desempenhar seus papéis no grupo. Muitos candidatos não possuem habilidades para trabalhar em equipe, isso é especialmente para aqueles habituados às contribuições individuais.
Treinamento É uma grande parcela de otimismo para as pessoas habituadas aos valores individuais poder ser treinada para de transformar em membros de equipes. Os treinamentos conduzem exercícios que permitem aos funcionários experimentar a satisfação que a equipe de trabalho pode proporcionar.
Recompensas O sistema de recompensa precisa ser reformulado de para estimular os esforços cooperativos em vez dos competitivos. As promoções, os aumento de salário e outras formas de reconhecimento devem ser dados aos indivíduos por sua eficácia como membros colaborativos das equipes. Isso não significa que se deva ignorar a contribuição individual; pois, deve ser equilibrada com as contribuições altruístas para o bem da equipe. É estimulante e gratificante fazer parte de uma equipe de sucesso, é a oportunidade de se engajar em seu desenvolvimento pessoal e ajudar os colegas da equipe a crescer.
10. As equipes e a gestão da qualidade
As equipes desempenham um papel muito importante dentro dos programas de gestão da qualidade. A essência da QM (Quality Management) é a melhoria dos processos, e o envolvimento dos funcionários é a principal engrenagem para que isso aconteça, A QM quer que os funcionários sejam estimulados a compartilhar idéias e usar na pratica suas sugestões. Embora nenhum dos diversos processos e técnicas de QM possa ser aplicado fora das equipes.
Ao implementar um projeto é preso uma abordagem de equipe, e para projetar e uma equipe de solução de problemas e de qualidade é preciso analisar os seguintes critérios: Ser suficientes pequenas para serem eficientes e eficazes; Ser adequadamente treinadas nas habilidades que seus vão necessitarem; Ter tempo suficiente para tratar dos problemas focados; Ter autoridade para solucionar os problemas e implementar ações corretivas e adequadas; Ter cada qual um “campeão” designado, a uma única função que é ajudar a equipe a superar as dificuldades que surgirem.
As equipes proporcionam o veículo natural para o compartilhamento de idéias e a implementação de melhorias.
Conclusão
Uma organização capacitada é aquela em que os integrantes têm conhecimento, habilidades, desejo e oportunidade para, pessoalmente se sair bem, de modo a levar a organização, como um todo, ao sucesso.
Diversidade entre as pessoas não tem o objetivo de separá-las, mais sim de uni-las. Nenhuma pessoa, raça ou cultura tem todo o conhecimento, talento ou habilidade; as diversidades foram distribuídas de tal modo que uma pessoa precisa das outras. Cultura e raças diferentes complementam e enriquecem as demais.
Uma equipe funciona bem somente quando cada um de seus integrantes se compromete 100% com ela, no que diz respeito a sua missão. Os objetivos e responsabilidades do grupo podem geralmente reforça um padrão de cooperação que não é atingível através
da persuasão ou exortação, uma equipe não só um grupo de pessoas é um processo de dar e receber.
O poder de uma equipe bem sucedida não esta no brilho de seus membros, mas na fecundação cruzada de suas habilidades coletivas.
As equipes eficazes possuem características em comum e conta com recursos adequados, liderança eficaz, clima de confiança e avaliação de desempenho com um sistema de recompensas que refletem as contribuições da equipe. As equipes possuem indivíduos com especialização técnica e habilidades para solução de problemas, tomada de decisões e relação interpessoal, além de elevado nível nas características de personalidade em termo de extroversão, amabilidade, consciência e estabilidade emocional.
Forças competitivas têm obrigado muitas organizações a repensarem o funcionamento de suas estruturas internas na busca de um diferencial. Atualmente, a maioria dos executivos concorda que a atuação de equipes é fundamental para o alcance deste diferencial e manutenção de um alto desempenho organizacional. A razão para que isto ocorra é que, em geral, as equipes têm um desempenho melhor do que as pessoas individualmente, especialmente em situações onde se exige multiplicidade de habilidades, julgamentos e experiências. Quando existem equipes verdadeiras em uma organização, pode-se verificar melhoria na resolução de problemas, maior criatividade e comprometimento. O fato de reunirmos várias pessoas em uma sala para resolver um problema não faz delas uma equipe. Por definição, equipe é um pequeno número de pessoas com habilidades complementares, comprometidas com um propósito comum, com metas específicas de desempenho, com um mesmo método de trabalho e responsabilidade mútua. Equipes podem ser de vários tipos: multidisciplinares, autogerenciáveis, virtuais, de tomada de decisão, de desenvolvimento, etc. Grupos tornam-se equipes por meio de uma série de ações disciplinadas. Estas ações são, muitas vezes, desconsideradas ocasionando sérios problemas de funcionamento e continuidade das equipes. Alguns dos motivos pelos quais estes problemas ocorrem: Implantação de equipes encarada como um fim e não como um meio. Desconsideração dos princípios básicos de uma equipe (tamanho, objetivos, habilidades...). Falta de clareza nas metas e expectativas de desempenho da equipe. Inadequação da estrutura da equipe aos objetivos a serem alcançados.
Cultura organizacional e práticas gerenciais não contribuem para a existência de equipes. Ausência de acompanhamento e treinamento das equipes para resolução de problemas internos de funcionamento. Baixos padrões de desempenho.
As organizações que pretendem implantar uma cultura baseada em equipes precisam, além de prevenir os erros acima, ter uma boa compreensão da dinâmica do funcionamento de equipes (mais complexa do que a individual), reverem o estilo de suas lideranças e vencer a resistência à mudança. Um esforço árduo, porém compensador. Equipes não é a solução para todos os problemas gerenciais. Cada organização deve fazer uma análise realística de suas necessidades e motivações antes de iniciar uma jornada nesta direção.
Referências
ROBBINS, Stephen P., 1943- Comportamento organizacional; tradução técnica Reynaldo Marcondes. – 11. Ed.-São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2005.
SATO, Eduardo – Comportamento organizacional: o impacto das emoções; tradução técnica Jean Pierre Marras. - São Paulo: Cengage Learning, 2008.
FELA, Moscovici – Desenvolvimento interpessoal: treinamento em grupo; 17ª Ed. – Rio de Janeiro: Jose Olympio, 2008
FELA, Moscovici - Equipes dão certo: a multiplicação do talento humano / colaboração de Atalaia Vianna Crespo, Fátima Gonçalves Castello, Gercina Alves de Oliveira. - 10ª Ed. – Rio de Janeiro: Jose Olympio, 2005. (coleção administração e negócios)
HOUSEL, Debra J. - Equipes: gerenciando para o sucesso; tradução Marília de Moura Zanella. – São Paulo: Cengage Learning, 2008. – (série profissional)
CASADO, Tânia – O INDIVIDUO E O GRUPO: a chave do desenvolvimento e FLEURY, Maria Tereza Leme (COORD) – As pessoas na organização. São Paulo: 7ª ed. Gente, 2002.
VERGARA, Sylvia Constat – Gestão de Pessoas. 5ª ed. - São Paulo: Atlas, 2006

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário